Brasil está fora da briga pelos títulos do primeiro WSL Challenger Series de 2022 na Austrália

Brasil está fora da briga pelos títulos do primeiro WSL Challenger Series de 2022 na Austrália

By WSL Latin America | 10 de maio de 2022 | noticias, principal

GOLD COAST, Austrália (Terça-feira, 10 de maio) – O Brasil saiu da briga pelos títulos do primeiro World Surf League (WSL) Challenger Series de 2022 na Austrália. Tatiana Weston-Webb foi barrada na primeira bateria da terça-feira em Snapper Rocks. Depois, Jadson André, Alex Ribeiro, Michael Rodrigues e Lucas Silveira, também foram eliminados na disputa pelas vagas para as oitavas de final do Boost Mobile Gold Coast Pro apresentado pela Rip Curl. Com a previsão de ventos desfavoráveis para os próximos dias, o evento deve terminar nesta quarta-feira na Austrália, noite de terça-feira no Brasil, ao vivo pelo WorldSurfLeague.com.

A terça-feira terminou com as oitavas de final femininas utilizando o sistema “overlapping heats”, com duas baterias sendo disputadas simultaneamente. As condições do mar melhoraram no fim do dia e duas jovens surfistas que saíram do World Surf League Championship Tour com o novo corte na elite no meio da temporada, se destacaram com as maiores notas. Molly Picklum ganhou 9,50 na vitória sobre Coco Ho e Bettylou Sakura Johnson conseguiu 9,30 no último duelo do dia, contra Yolanda Hopkins.

Molly Picklum (Foto: Matt Dunbar/World Surf League)

Nas quartas de final, Molly Picklum vai enfrentar a bicampeã mundial Tyler Wright na terceira bateria e a havaiana Bettylou Sakura Johnson entra na última com outra australiana, Bronte Macaulay. Na chave de cima, que vai apontar a primeira finalista do Boost Mobile Gold Coast Pro apresentado pela Rip Curl, a havaiana Gabriela Bryan disputa a primeira bateria com Sally Fitzgibbons e a segunda será entre a também australiana Nikki Van Dijk e a norte-americana Caitlin Simmers.

WILDCARDS PARA O CT – Na terça-feira, a World Surf League anunciou quais surfistas participarão do Championship Tour como convidados. A australiana Sally Fitzgibbons, que foi cortada da elite em Margaret River, foi uma das escolhidas para a primeira metade da temporada 2023. Ela e o brasileiro Yago Dora, que se contundiu no ano passado e ainda não voltou a competir. Já o tricampeão mundial Gabriel Medina e a norte-americana Caroline Marks, ganharam wildcards para participar do restante desta temporada de 2022 e da primeira metade da de 2023.

Essa foi a única notícia boa para o Brasil na terça-feira, porque dentro d´água, todos foram eliminados na batalha pelas vagas para as oitavas de final. Alguns, por décimos de diferença em ondas surfadas nos segundos finais. O dia já começou com a vice-campeã mundial, Tatiana Weston-Webb, perdendo na primeira bateria com a última onda surfada pela havaiana Coco Ho. Com a nota 6,40 recebida, superou a brasileira por 14,00 a 13,17 no confronto vencido pela bicampeã mundial Tyler Wright, por 14,33 pontos.

Tatiana Weston-Webb (Foto: Andrew Shield/World Surf League)

Após as quatro baterias restantes da segunda fase feminina, começou a terceira rodada do masculino também valendo classificação para as oitavas de final. As ondas não estavam tão perfeitas como nos outros dias, mas ainda entravam umas boas com tubos e abrindo longas paredes para fazer várias manobras usando a borda da prancha. O potiguar Jadson André, que encabeçou as listas de recordes no primeiro dia, não conseguiu pegar boas ondas e foi barrado pelo português Vasco Ribeiro e pelo havaiano Ian Gentil na primeira bateria.

Na quinta, Alex Ribeiro foi eliminado por 2 décimos de diferença em um dos confrontos mais disputados do dia. Ele detonou a onda que surfou nos últimos segundos, com batidas e rasgadas abrindo grandes leques de água, porque precisava de 7,13 para se classificar. No entanto, a nota saiu 6,93 e os dois australianos que ele enfrentou, vibraram com a dupla classificação. Oscar Berry venceu por 11,77 pontos e Callum Robson passou em segundo lugar com 11,30, contra 11,10 do Alex Ribeiro.

Ramzi Boukhiam (Foto: Matt Dunbar/World Surf League)

Na disputa seguinte, o australiano Jackson Baker já começou surfando um tubaço, some lá dentro, reaparece e segue fazendo uma série de manobras para ganhar nota 9,17, recorde da terça-feira e a terceira maior do Boost Mobile Gold Coast Pro. Michael Rodrigues foi guerreiro, mostrou muita raça tentando tirar o máximo das ondas que surfou e passou a frente de Ramzi Boukhiam nos minutos finais. Porém, mais uma vez, um brasileiro foi eliminado em ondas surfadas nos últimos segundos. O marroquino pegou uma onda que armou a parede para ele usar seu power surf e conseguir nota 6,00, suficiente para superar Michael Rodrigues por 12,17 a 10,93 pontos. Jackson Baker passou em primeiro lugar com 13,17.

O carioca Lucas Silveira era a última esperança de classificação do Brasil, mas a eliminação nos segundos finais se repetiu. O italiano Leonardo Fioravanti conseguiu duas notas na casa dos 7 pontos que lhe garantiram a vitória. O brasileiro estava se classificando em segundo lugar e pegou uma onda no último minuto, que abriu para ele tentar trocar sua nota mais baixa. Mas, o norte-americano Nolan Rapoza vem na última onda, surfando forte de backside em mais uma direita muito longa e vibra no final. A expectativa fica para a análise dos juízes. Lucas trocou o 4,00 por 5,60 e aumentou a vantagem. O americano ficou precisando de 6,36 e recebeu 6,50, tirando o último brasileiro por uma pequena vantagem de 11,67 a 11,53 pontos. O italiano venceu por 14,60, somando 7,60 e 7,00.

Nolan Rapoza (Foto: Andrew Shield/World Surf League)

Com isso, Lucas Silveira terminou empatado com Jadson André, Michael Rodrigues e Alex Ribeiro, em 17.o lugar no Boost Mobile Gold Coast Pro apresentado pela Rip Curl, marcando 2.000 pontos no primeiro ranking do WSL Challenger Series 2022. Os que avançaram para as oitavas de final, já garantiram um mínimo de 3.500 pontos. Para os brasileiros, agora é se preparar para a próxima batalha pelas vagas para o World Surf League Championship Tour 2023, que será travada no GWM Sydney Surf Pro apresentado pela Rip Curl, que começa no dia 17 em Manly Beach, Sidney, também na Austrália.

PRÓXIMAS BATERIAS DO BOOST MOBILE GOLD COAST PRO:

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com 3.500 pontos:
1.a: Vasco Ribeiro (PRT) x Sheldon Simkus (AUS)
2.a: Conner Coffin (EUA) x Ian Gentil (HAV)
3.a: Connor O´Leary (AUS) x Maxime Huscenot (FRA)
4.a: Morgan Cibilic (AUS) x Dylan Moffat (AUS)
5.a: Ramzi Boukhiam (MAR) x Oscar Berry (AUS)
6.a: Callum Robson (AUS) x Jackson Baker (AUS)
7.a: Leonardo Fioravanti (ITA) x Ezekiel Lau (HAV)
8.a: Julian Wilson (AUS) x Nolan Rapoza (EUA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 5.000 pontos:
1.a: Gabriela Bryan (HAV) x Sally Fitzgibbons (AUS)
2.a: Nikki Van Dijk (AUS) x Caitlin Simmers (EUA)
3.a: Tyler Wright (AUS) x Molly Picklum (AUS)
4.a: Bettylou Sakura Johnson (HAV) x Bronte Macaulay (AUS)

RESULTADOS DA TERÇA-FEIRA EM SNAPPER ROCKS:

SEGUNDA FASE – 3.a=17.o lugar (2.000 pts) e 4.a=25.o lugar (1.800 pts):
5.a: 1-Tyler Wright (AUS), 2-Coco Ho (HAV), 3-Tatiana Weston-Webb (BRA), 4-Vahine Fierro (TAH)
6.a: 1-Molly Picklum (AUS), 2-Kobie Enright (AUS), 3-Teresa Bonvalot (PRT), 4-Amuro Tsuzuki (JPN)
7.a: 1-Bronte Macaulay (AUS), 2-Bettylou Sakura Johnson (HAV), 3-Sophie McCulloch (AUS), 4-Stephanie Gilmore (AUS)
8.a: 1-Yolanda Hopkins (PRT), 2-Zahli Kelly (AUS), 3-Isabella Nichols (AUS), 4-Brianna Cope (HAV)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com 3.500 pontos:
1.a: Gabriela Bryan (HAV) 15,07 x 11,67 Luana Silva (HAV)
2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) 14,84 x 9,03 Kirra Pinkerton (AUS)
3.a: Nikki Van Dijk (AUS) 13,24 x 12,50 Malia Manuel (HAV)
4.a: Caitlin Simmers (EUA) 12,33 x 12,10 Macy Callaghan (AUS)
5.a: Tyler Wright (AUS) 13,83 x 9,90 Kobie Enright (AUS)
6.a: Molly Picklum (AUS) 13,17 x 10,50 Coco Ho (HAV)
7.a: Bronte Macaulay (AUS) 16,73 x 14,07 Zahli Kelly (AUS)
8.a: Bettylou Sakura Johnson (HAV) 15,73 x 7,87 Yolanda Hopkins (PRT)

TERCEIRA FASE MASCULINA – 1.o e 2.o=Oitavas de Final:
———-3.o=17.o lugar com 2.000 pontos
1.a: 1-Vasco Ribeiro (PRT)=13.50, 2-Ian Gentil (HAV)=10.37, 3-Jadson André (BRA)=8.84
2.a: 1-Conner Coffin (EUA)=10.33, 2-Sheldon Simkus (AUS)=9.83, 3-Adur Amatriain (ESP)=8.00
3.a: 1-Connor O´Leary (AUS)=14.34, 2-Morgan Cibilic (AUS)=13.03, 3-Alister Reginato (AUS)=9.10
4.a: 1-Dylan Moffat (AUS)=11.63, 2-Maxime Huscenot (FRA)=10.10, 3-Timothee Bisso (FRA)=8.73
5.a: 1-Oscar Berry (AUS)=11.77, 2-Callum Robson (AUS)=11.30, 3-Alex Ribeiro (BRA)=11.10
6.a: 1-Jackson Baker (AUS)=13.17, 2-Ramzi Boukhiam (MAR)=12.17, 3-Michael Rodrigues (BRA)=10.93
7.a: 1-Leonardo Fioravanti (ITA)=14.60, 2-Nolan Rapoza (EUA)=11.67, 3-Lucas Silveira (BRA)=11.53
8.a: 1-Julian Wilson (AUS)=9.87, 2-Ezekiel Lau (HAV)=9.40, 3-Cam Richards (EUA)=7.60

—————————————————–

João Carvalho – WSL Latin America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

Gabriel Gontijo – WSL Latin America Communications – ggontijo@worldsurfleague.com


SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.


Tags:Alex Ribeiro, Austrália, Boost Mobile Gold Coast Pro, Challenger Series, CS, featured, Jadson André, Lucas Silveira, Michael Rodrigues, Snapper Rocks, Tatiana Weston-Webb, World Surf League, WSL Latin America

Previous post Rally Rota Sudeste terá dois dias de disputas em São Manuel (SP)
Next post D2 MOTORS COMEMOROU VITÓRIAS ENTRE ESTADOS UNIDOS E BRASIL NAS ÚLTIMAS SEMANAS