Stock Car: Ricardo Zonta conquista top5 para Shell em Santa Cruz do Sul

Galid Osman é sexto na corrida 1 e Átila Abreu soma pontos para permanecer no top10 do campeonato

A Shell mais uma vez foi protagonista na Stock Car. O trio de pilotos da maior patrocinadora do esporte a motor no Brasil e no mundo correu a penúltima etapa da temporada em Santa Cruz do Sul com contratos renovados em suas equipes e todos tiveram seus momentos de destaque neste domingo.

Atual vice-campeão, o paranaense Ricardo Zonta terminou a segunda bateria em quinto depois de largar a primeira apenas em vigésimo. Ele esteve muito perto de sair na pole da corrida 2, ao receber a primeira bandeira quadriculada da tarde em 11º a apenas 0.161 do décimo posto. O piloto do Toyota Corolla #10 é quinto colocado na tabela de pontos após a aplicação dos descartes previstos no regulamento.

Já Átila Abreu e o Chevrolet Cruze #51 tiveram uma jornada atribulada, com a porta do carro abrindo desde a primeira bateria. Ele foi 13º na prova 1 e 12º na segunda bateria, somando pontos para permanecer no top10 do campeonato após os descartes. O sorocabano é nono, com 232 pontos conquistados.

Galid Osman era o competidor mais bem posicionado no grid inicial, largando em nono. Ele brigou toda corrida 1 no pelotão da frente e terminou em sexto. Na segunda corrida, foi 13º.

A próxima etapa da Stock Car é a final do campeonato, marcada para 12 de dezembro em Interlagos.

As corridas

Na largada Galid Osman se posicionou bem e avançou uma posição. Átila era 15º e Zonta, cauteloso, cedeu dois postos mas manteve o carro íntegro em 22º lugar.

O trio avançava antes da janela de paradas, iniciada na volta 10. Galid entrou no box em sexto, Átila em nono e Zonta em 15º.

O Cruze #28 reassumiu a sexta posição depois de restabelecida a ordem na pista com o encerramento da janela de paradas obrigatórias. Átila e Zonta orbitavam o top10 na segunda metade da prova.

O paranaense então assumiu definitivamente o 11º posto e pressionou muito Pedro Cardoso até a bandeirada, cruzando a linha a 0.161 da décima posição e consequentemente da pole na corrida 2.

Galid foi sexto com autoridade e Átila caiu de 12º para 13º ao parar no fim apostando em pneus mais novos na corrida 2.

Na segunda bateria Galid saltou muito bem, avançando de quinto no grid para terceiro. Zonta deixou cinco oponentes para trás na primeira volta e Átila avançou de 13º para oitavo.

Na segunda passagem Zonta já era quinto, com Galid em sexto e Átila em nono. Então houve a primeira intervenção do safety-car.

Zonta conquistou uma posição na relargada, com a dupla da equipe Shell V-Power conservando sexto e nono postos antes da segunda entrada do carro de segurança. Na relargada Zonta avançou para quarto.

Galid foi o primeiro do trio a parar nos pits, na volta 10. Zonta era vice-líder e Átila sétimo.

Depois do fim da janela, Zonta aparecia em quinto. Átila era 12º e Galid 13º.

E nessas posições eles levaram os carros com as cores da Shell até o final.

O que eles disseram:

“Depois de um quali onde cometi o erro e perdi a oportunidade de largar entre os 15 primeiros, isso prejudicou muito minha largada da corrida 1. Estava com o carro muito rápido para avançar. Largando de 20º é muito complicado saber o que vai acontecer na primeira curva, muita confusão, perdi algumas posições para garantir que escaparia dos toques. Fizemos uma parada muito rápida, isso nos deixou em condições de brigar pelo top10 e por pouco não conseguimos largar da frente na segunda corrida. Fiz uma boa volta e já estava na sexta posição na segunda prova, o pódio não veio por pouco.”

Ricardo Zonta

“Gostei muito da corrida aqui. O carro estava muito rápido e consegui uma boa velocidade. Minha posição de largada dificultou a estratégia, não sabia qual corrida priorizar. Bons pontos hoje e um resultado positivo em Santa Cruz do Sul.”

Galid Osman

“Se pensarmos em pontuação foi uma etapa difícil, ficamos fora do top10 nas duas corridas. A estratégia foi acertada, largando da 16a posição era importante brigar pelas primeiras posições. Tive problema com a minha porta, perdi muito tempo brigando para tentar fechar ela. Na parada eu era 11º, a equipe tentou fechar e perdi tempo e posição e não resolveu a situação da porta. Parei para trocar os pneus quando vi que não teria chance de brigar pelas posições. Largamos a segunda corrida com os 4 pneus bons e era uma boa chance de pontuar bem. Mas, a porta soltou e caiu uma das dobradiças, não consegui fechar, mas ela não caiu, então ficou muito complicado de manter o ritmo. Perdi rendimento e tempo tentando resolver essa situação, isso tirou muito o foco durante as provas. Estratégia não foi errada, mas a situação nos complicou no objetivo de chegar as duas entre as 10 melhores posições. Resultado vai nos ajudar a melhorar aqui na próxima temporada, já que teremos o mesmo carro. Hora de pensar em Interlagos e fechar o ano com bons pontos.”

Átila Abreu

Stock Car – Campeonato após 11 etapas (com descartes):
1. Gabriel Casagrande – 336 pontos
2. Daniel Serra – 311
3. Thiago Camilo – 280
4. Rubens Barrichello – 279
5. Ricardo Zonta – 277
6. Ricardo Mauricio – 267
7. Cesar Ramos – 245
8. Allam Khodair – 239
9. Átila Abreu – 232
10. Diego Nunes – 215
19. Galid Osman – 121

Sobre a Raízen:

Somos a Raízen – uma empresa integrada de energia referência em biocombustíveis. Atuamos em toda a cadeia produtiva da cana, até comercialização, logística e distribuição de combustíveis. Nossa energia é essencial para mobilizar pessoas e potencializar negócios, por isso, além de entregar a energia que o mercado precisa hoje, investimos em soluções que contribuam para a agenda global de transição energética de forma gradual e sustentável.

É por isso que somos líderes na produção de biocombustíveis e bioeletricidade a partir da cana, e seguimos investindo na ampliação do nosso portfólio em fontes renováveis, como o etanol de segunda geração (E2G), o biogás, a biomassa e a geração de energia solar.

Somos grandes – temos um time de 29 mil funcionários, operamos 26 unidades de produção de açúcar, etanol e bioenergia – e uma planta de etanol 2G – com capacidade instalada para moagem de 73 milhões de toneladas de cana, que produziram, na safra 19´20, cerca de 2,5 bilhões de litros de etanol e 3,8 milhões de toneladas de açúcar. Contamos com 860 mil hectares de áreas agrícolas cultivadas com tecnologia de ponta, com colheita 100% mecanizada.  Temos capacidade instalada de cerca de 1GW para geração de energia e produzimos, na última safra, 2,1 TWh de energia elétrica a partir da biomassa da cana. No mercado livre de energia, em uma JV com a WX Energy, comercializamos cerca de 26,9 TWh de energia na safra 19´20, reforçando nossa atuação em trading no mercado livre de energia.

Com uma rede de revendedores de mais de 6.000 postos da marca Shell, no Brasil e na Argentina, temos presença e proximidade para entregar a energia que nossos clientes precisam. E por meio do Grupo NÓS (JV com a Femsa), atuamos no varejo com mais de 1.000 lojas de conveniência Shell Select nos postos, e com as lojas de proximidade OXXO, marca já consolidada na América Latina. Nos segmentos B2B e varejo, comercializamos, no ciclo 19´20, aproximadamente 27,1 bilhões de litros de combustíveis, operando em todas as regiões do Brasil por meio de 67 bases de abastecimento em aeroportos e 67 terminais de distribuição de combustíveis. Na Argentina, onde atuamos com a marca Shell desde 2018, comercializamos no último ciclo 6,1 bilhões de litros de combustíveis, contando uma rede de cerca de 730 postos Shell, uma refinaria, uma planta de lubrificantes, quatro terminais terrestres e duas bases de abastecimento em aeroportos.

Estamos entre as maiores empresas em faturamento no Brasil, com R$ 120,6 bilhões, na safra 19´20. Geramos emprego e renda, dinamizando a economia, e investimos em ações de responsabilidade social, apoiando diversos projetos e, por meio da Fundação Raízen, oferecemos a jovens uma formação complementar à educação regular, impulsionando pessoas em situação de vulnerabilidade social a se descobrirem profissionalmente e protagonizarem seus próprios caminhos. Também trabalhamos no desenvolvimento de cooperação com as comunidades vizinhas às nossas operações – por meio destes trabalhos, beneficiamos mais de 1.700 alunos e mais 3 milhões de pessoas na safra 19’20, oferecendo qualificação profissional, educação e consciência cidadã.

Projeto Time KGV – Stock Car, aprovado na Lei Federal de Incentivo ao Esporte e registrado junto ao Ministério da Cidadania (Secretária Especial do Esporte) sob o número de processo 58000.011486/2018-29

Foto: José Mario Dias

Por: Luis Ferrari

Previous post Edu Piano/Manuel Ruivo são vice-campeões da Mitsubishi Cup na L200 Triton Sport R
Next post Stock Light: Raphael Reis é segundo em Santa Cruz do Sul em prova definida na última volta