Rali do Paraná está luto com a morte de Eduardo Ortolan

Eduardo “Lobinho” Ortolan era considerado um dos melhores navegadores do Brasil (Foto: Edson Castro)

Eduardo “Lobinho” Ortolan era considerado um dos melhores navegadores do Brasil (Foto: Edson Castro)

O rali paranaense perdeu no fim da tarde desta segunda-feira o navegador Eduardo “Lobinho” Ortolan, de 44 anos, completados no último dia 25. Ele estava internado há duas semanas em um hospital de Cascavel, com Covid-19.

Empresário e navegador de rali, Eduardo tinha também destacada atuação social, sendo um dos coordenadores do programa de cadeiras de rodas do Rotary. Comercialmente, comandava ao lado de familiares a Ótica Curitiba. Ele deixa esposa Cristiani e os filhos Maria Eduarda e João Pedro.

Como desportista, Eduardo Ortolan, o Lobinho, como era chamado pelos amigos, presidiu o Rallye Clube de Cascavel e atualmente era vice-presidente, na gestão que tem à frente César Valandro como presidente. Começou a competir em 2004, quando fez sua primeira filiação à FPrA (Federação Paranaense de Automobilismo). Em 2018, formando dupla com o piloto Sandro Suptitz, sagrou-se campeão brasileiro de rali de velocidade na categoria RC4.

Rubens Gatti, presidente da Federação Paranaense de Automobilismo (FPrA), diz que o esporte a motor do Paraná tem um dia triste com a morte de Eduardo Ortolan, filiado à entidade desde 2004. “Perdemos um excelente navegador, um amigo e um parceiro para toda hora. Como dirigente, contribuiu muito para o crescimento do rali do Paraná, organizando provas locais, estaduais e nacionais, como etapa do Brasileiro disputada em Cascavel em 2013, quando foi considerada a de melhor organização naquele ano. O Eduardo vai fazer muita falta ao esporte do Paraná”, finaliza Gatti.