Sul-africano confirma recorde mundial de travessia a remo em Cabo Frio (RJ)

Cabo Frio (RJ), 28 de fevereiro de 2021 –  O sul-africano Zirk Botha fez história neste sábado (27) ao quebrar o recorde da travessia transatlântica a remo.

O navegador de 59 anos fez o percurso da Cidade do Cabo, na África do Sul, até Cabo Frio, no Brasil, em 70 dias, numa distância total de 7.200km ou 4.000 milhas náuticas pelo Oceano Atlântico.

O ex-oficial da Marinha sul-africana de 59 anos deixou seu país em 19 de dezembro de 2020 a bordo do Ratel, um barco de 6,5m de comprimento.

Zirk Botha foi recebido com festa na sede de Cabo Frio do Iate Clube do Rio de Janeiro.

”Quando comecei a planejar esta viagem, há dois anos, as pessoas disseram que eu estava louco! Quero encorajar a todos a sonhar grande, fazer o máximo e nunca permitir que ninguém os desanime. A vida é uma grande aventura”, comemorou o navegador.

Em sua trajetória entre continentes pelo Atlântico, Zirk Botha encarou com os múltiplos desafios de mares selvagens, privação de sono, isolamento, o risco de encontrar navios.

”Embora tenha tido condições climáticas quase perfeitas para facilitar uma travessia recorde, foi tudo muito intenso, com apenas dois dias calmos em toda a travessia”.

”A natureza implacável do clima tem sido física e mentalmente desgastante. Não estava preparado para esse tipo de desafio”.

Com o nome Row2Rio2020, a expedição de Zirk Botha se tornou a principal façanha a remo!

O  recorde mundial como a primeira pessoa a remar o percurso sozinho e sem o apoio de qualquer embarcação de segurança foi do sul-africano com folga.

A marca anterior pertencia à dupla Wayne Robertson e Braam Malherbe, que fez a travessia em 92 dias no ano de 2017.

Nenhum outro remador solo fez uma linha transatlântica sem suporte desta magnitude, acima de 4000 nm, que incluiu lidar com o Cabo das Tempestades.

”Estou à espera de verificação, mas creio que esta é a distância mais longa remada por um remador solo sul-africano em qualquer percurso”.

Acompanhado por uma flotilha de barcos e recebido por moradores da cidade fluminense, Zirk Botha infelizmente não teve apoio de familiares, já que os sul-africanos estão atualmente impedidos de entrar no Brasil, devido às restrições de viagem relacionadas à Covid-19.

Zirk Botha estava ansioso para comer alimentos frescos e não processados. Ele perdeu uma quantidade significativa de peso, cerca de 10 kg, e está lutando para consumir comida suficiente para atender às suas necessidades de energia agora.

”A primeira coisa que fiz ao chegar foi comer um hambúrguer com batatas fritas e uma Coca Cola, que estavam incríveis”.

”Eu sei que preciso começar a reconstruir meu corpo agora, com alimentos saudáveis ​​e frescos. Estou fisicamente exausto”.

O Cônsul Geral da África do Sul no Brasil, Tinyiko Kumalo, parabenizou Zirk Botha.

”Só podemos imaginar os desafios que você enfrentou e teve que superar durante sua jornada solo e sem suporte enquanto navegava pelo oceano Atlântico por muitos dias. Que homem valente você é! A nação se orgulha de seu sucesso”.

A façanha de Zirk começou a ser construída na montagem do barco. Sem recurso, o sul-africano fez valer a expressão brasileira de ”se vira nos 30” à risca.

”Embora eu tenha sido generosamente patrocinado pela Juwi e outros patrocinadores em parte dos meus custos e equipamentos, inicialmente não tive nenhum grande patrocínio que me permitisse comprar um barco a remo oceânico totalmente equipado desde o início”.

”Tive que aprender sozinho a trabalhar com epóxi e construí o barco no meu jardim. Eu mesmo montei todo o equipamento e fiz toda a fiação elétrica. Além disso, algo que tive que aprender a fazer sozinho.

Remo para um futuro sustentável

Patrocinado pela Juwi Renewable Energies, Botha completou o extraordinário feito em apoio ao desenvolvimento sustentável e na promoção da energia renovável como uma solução para questões ambientais e mudanças climáticas.

“Eu queria usar o #Row2Rio2020 para destacar o impacto dos combustíveis fósseis e do consumismo irresponsável no planeta, que será o lar de nossos filhos e das gerações futuras. As energias renováveis ​​são essenciais para um futuro sustentável”

”Durante toda a minha navegação fui 100% autossustentável. Isso fornece uma vitrine perfeita para apoiar a mensagem de que energia 100% renovável é a solução”.

”Confio totalmente em painéis solares e baterias carregadas com energia solar como fonte de eletricidade para meu gerador de água (dessalinizador), piloto automático, equipamento de segurança, rádio e equipamento de comunicação por satélite”.

Richard Doyle, CEO da Juwi Renewable Energies, patrocinadora da viagem, aplaudiu Botha: ”O que Zirk fez é notável de uma perspectiva individual. No entanto, é realmente simbólico porque é um indicador para um esforço maior, todos nós precisamos fazer tanto individualmente quanto coletivamente se quisermos alcançar a sustentabilidade”.

”As energias renováveis ​​representaram 28% do total global no ano passado, um aumento de 2% em relação ao ano anterior”.

”Há uma mudança constante no apetite de investimento para longe dos combustíveis fósseis e essa porcentagem só aumentará”.

Sobre o barco

‘Ratel”, que é a palavra em Afrikaans para texugo de mel, um animal conhecido por sua coragem e tenacidade, e que fez jus ao seu nome.

A norma atual é que os barcos a remo oceânicos sejam construídos em compensado marinho ou em um molde de fibra de vidro e epóxi. Ratel difere disso por ser construído em um projeto de Phil Morrison usando espuma de célula fechada com fibra de vidro e resina epóxi.

O design específico incorpora princípios de construção em favo de mel, o que o torna muito forte quando considerado superleve.

”Antes de começar a instalar escotilhas e equipamentos, eu podia levantar e virar Ratel sozinho com uma extremidade no berço”.

”Com todo o equipamento, peças sobressalentes e alimentos carregados, ela pesa no máximo 550kgs. Com comprimento de 6,5m e feixe de 1,62m é superleve”, disse Botha.

”Para operar meus sistemas, tenho 2 baterias de 12 V conectadas em paralelo com uma capacidade combinada de 200aH. Estas são baterias de ciclo profundo adequadas para carregamento com painéis solares”.

”Eu escolhi os painéis solares flexíveis da Solbian por causa de seu bom histórico em iates e barcos”.

Com uma capacidade de pico de 276 watts a 46 volts, eles entregam no máximo a metade disso, devido a serem posicionados em vários ângulos para atender ao sol da manhã, do meio-dia e da tarde. Eles são entregues de forma consistente, mesmo em dias nublados e, como tal, minhas baterias são totalmente carregadas todos os dias ao pôr do sol.

”Instalado a bordo do Ratel está um dessalinizador que fornece minha água potável. A unidade Eco Systems Splash pode produzir 16l de água doce por hora. Funciona com 12 volts e requer uma alimentação de 16 amperes”.

Além do dessalinizador, minha unidade mais importante é meu rádio VHF equipado com GPS, AIS e DSC.

O AIS permite-me obter um aviso prévio de navios nas minhas proximidades, enquanto o DSC permite-me comunicar com eles de forma semelhante a SMS. Também consigo chamar navios em canais marítimos normais.