Bianchini/Índio estão em quarto no acumulado da Open, após a etapa 4

O Sertões largou de São Paulo (31/10), cruzou Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Tocantins e, nesta quinta-feira, 5, chega ao Maranhão, à Bolha 5 na cidade de Carolina. Fabrício Bianchini (Barueri/SP) e Adhemar Pereira (Fortaleza/CE) conquistaram mais uma posição na classificação acumulada do rali e estão em 4º na Open, uma das categorias mais disputadas, são nove “bugões”, oito com motor V8 e apenas um da dupla da Bianchini Rally com motor Amarok V6, todos são 4×2 e a briga é boa.

Na quarta etapa (4/11), entre Campos Belos, no Goiás, e Palmas, no Tocantins, a dupla enfrentou uma longa – total de 650 quilômetros – e exigente Especial (trecho cronometrado) de 329 quilômetros que mesclou trechos rápidos, 60 quilômetros de areia e vários tipos de terrenos. E completou em 7º na Open e 15º na geral, com 4h29m30s.

“Dia foi sensacional, muito bom, posso dizer que foi o mais divertido que já pilotei de carro na minha vida, um Especial muito rápida e legal!”, destaca Bianchini. O piloto ressalta que as modificações realizadas, após a etapa Maratona, melhoraram o desempenho do Buggy V6, preparado pela MEM Motorsport. “O bugão estava ótimo, arrumaram a potência e ficou show, além disso a sincronia minha com Índio só melhora e a navegação também”, afirma o piloto que completa a 20ª participação no maior rali das Américas.

Para o navegador cearense, que na verdade é piloto de moto, assim como Bianchini, a estreia na categoria carros está sendo uma experiência positiva. “Fabrício e eu temos praticamente nossa história no Sertões marcada com as motos. Em 2018 tivemos nossa primeira experiência juntos quando andamos de UTV e foi bem divertido, mas, agora, com esse bugão não tenho palavras, a cada nova etapa saímos mais satisfeitos, é diversão e adrenalina pura, passamos por cima de tudo”, explica Índio, apelido do competidor e como é conhecido no meio off-road, que está em sua 11ª participação na prova.

Mais informações sobre a equipe: www.bianchinirally.com.br, Facebook @equipebianchinirally e Instagram @bianchinirally. E também no Instagram @memmotorsport A Bianchini Rally conta com patrocínio da ROCK e Shiro e apoio MEM Motorsport, Óculos 100%, O Mundo de Maria, Hupi, Bull Sertões e Rede Petrolam.

Sertões – Resultado acumulado, após a 4ª etapa

Categoria Open (cinco primeiros)
1) Thiago Rizzo/Leo Magalhães
2) Zé Hélio/Lauro Sobreira
3) Júlio Capua/Emerson Cavassim
4) Fabrício Bianchini/Adhemar Pereira
5) Carlos Castro/Minae Miyauti

Roteiro completo do Sertões 2020 (sujeito à alterações)

5/11/2020 – quinta-feira
5ª etapa – Bolha 4 / TO a Bolha 5 / MA
Deslocamento inicial: 99 km
Trecho especial: 227 km
Deslocamento final: 284 km
Total: 610 km
Apesar dos km iniciais travados, a especial imprime altas velocidades em um trecho de areia, ao lado de uma plantação de eucaliptos. O terreno arenoso fica bem mais pesado até a metade do trajeto, quando assume as características do Jalapão, no Tocantins. Os competidores encerram a especial em terreno de piçarra, onde poderão atingir altas velocidades e sentir o prazer da pilotagem.

6/11/2020 – sexta-feira
6ª etapa – Bolha 5 / MA a Bolha 6 / MA
Deslocamento inicial: 128 km
Trecho especial: 300 km
Deslocamento final: 313 km
Total: 741 km
A especial já começa com belas paisagens, por estradas de médias velocidades que vão ficando cada vez mais estreitas e travadas. A partir da metade, o trajeto fica mais rápido, com lombas e depressões. Haverá dois trechos com retas muito longas, de altíssimas velocidades, em terreno de piçarra. No final, será preciso mais atenção para completar a especial em trechos arenosos.

7/11/2020 – sábado
7ª etapa – Bolha 6 / MA a Barreirinhas (MA)
Deslocamento inicial: 258 km
Trecho especial: 223 km
Deslocamento final: 34 km
Total: 515 km
A organização do Sertões promete deixar a melhor especial para o final. Com prova na areia, a navegação fará toda a diferença. Após um começo travado em piçarras, o trecho fica arenoso à medida que cruza pequenos riachos, os quais estarão secos na época da prova. Após o abastecimento, praticamente na metade da especial, as dificuldades serão extremas por conta da areia e da parte final com navegação por GPS em dunas. Com muitos way points a serem cobertos, qualquer erro pode ser fatal. O final em Barreirinhas promete ser apoteótico, a imagem a ser gravada nas memórias dos participantes. Chegar ao final do Sertões 2020 já será uma grande vitória.