Coluna Conversa de Pista: F-1 lança coleção primavera-verão

Em meio a lançamentos dos modelos 2019 crises profundas e novos projetos

Por Wagner Gonzalez

O dinamismo da época é conhecido, mas as surpresas não deixam de marcar presença numa sequência de apresentações que remete ao mundo da moda e o lançamento de suas novas coleções. A comparação ganha mais força quando se nota que as cores e grafismos mostrados nos novos carros serão o destaque na indumentária e uniforme dos pilotos, pessoal de box e pintura dos veículos de cada equipe. Assim, pode-se notar um look retrô por parte da Haas – que adotou as cores preto e dourado imortalizadas pela equipe Lotus nos anos 1970 -, uma releitura de padronagem na Williams – no inédito FW42 o tradicional azul marinho deu lugar a uma tonalidade mais clara -, e a Toro Rosso surpreendeu com uma pintura bastante básica para os padrões da marca ao mostrar seu STR14. Veja aquio clipe do lançamento do novo modelo.

https://www.autoentusiastas.com.br/ae/wp-content/uploads/2019/02/20190212-Coluna-F1-WilliamasFW42-750x339.jpg

As passarelas da F-1 vivem uma semana de intensidade: hoje, por exemplo, será conhecido o Renault RS19, na sede inglesa da equipe, em Enstone. Amanhã acontece uma avalanche de novidades: o Red Bull RB15 e o Mercedes W10 serão apresentados em Silverstone e em Toronto será conhecido o modelo da Racing Point, marca que assumiu a falida Force India e ainda não definiu a especificação dos seus carros. Na quarta-feira será a vez da McLaren apresentar o MCL34 em Woking. A Ferrari apresenta o SF90 na sexta-feira em Barcelona, mesmo local onde o Sauber C39 será conhecido na segunda-feira, 18. Nesse dia será conhecido o novo Haas VF19: o carro mostrado nos últimos dias era um modelo de 2018 com o grafismo do modelo ainda inédito.

https://www.autoentusiastas.com.br/ae/wp-content/uploads/2019/02/20190212-COLUNA_Haas-2019-look-750x409.jpg

Os modelos 2019 chegam com asas maiores e, no caso da dianteira, mais simples, tudo em busca de mais ultrapassagens e emoção, receita básica para recuperar o prestígio abalado por cinco temporadas de domínio da equipe Mercedes.  Como em toda atividade que mistura altas doses de exposição e dinheiro, as crises não deixam de ter protagonismo no dia-a-dia da categoria; em meio a novidades de carros e patrocinadores, os donos da F-1 enfrentam uma onda de organizadores ávidos em renegociar seus contratos atuais. Pelo menos quatro etapas compartem o topo dessa lista, as dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Itália e México.

Os promotores da corrida de Austin não estão satisfeitos com as facilidades oferecidas pela Liberty Media para a cidade de Miami, que pode entrar no calendário de 2020. Os texanos não apreciam em nada o fato de pagar preço cheio e ganhar um concorrente próximo que receba descontos para ser agregado à temporada. O pessoal da Florida já começou a fazer contatos para arregimentar mão de obra especializada para a organização da corrida.  Do outro lado Atlântico, os ingleses responsáveis pela etapa de Silverstone já declinaram da extensão do contrato atual e as negociações para um novo acordo patinam nos custos financeiros. Tal como Silverstone, a tradição da pista de Monza parece não valer tanto na hora de renovar o contrato atual cuja validade é tão sombria e encoberta quanto os detalhes monetários que garantem a corrida realizada nos arredores de Milão.

O GP do México segue envolto no clima político que impera no país após a eleição do populista de esquerda Andrés Manuel López Obrador. Conhecido por suas declarações impactantes – recentemente passou a chamar de “fi-fis” os mexicanos com poder aquisitivo acima da média -, ele parece preparar a prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaun, como sua sucessora. Shinbaun e López Obrador anunciaram, cada um a seu modo, a não renovação do apoio financeiro ao GP do México alegando que evento não é popular e que preferem destinar o dinheiro economizado para a construção de uma ferrovia na região próxima a Cancún. Ironicamente, a corrida mexicana é uma das mais bem organizadas do calendário e é o maior evento do calendário turístico da cidade em termos de geração de impostos, movimentação financeira e utilização da estrutura turística.

 Até certo ponto indiferentes a essas polêmicas as equipes estão cada vez mais preocupadas com a indefinição do novo regulamento técnico a ser adotado em 2021. A padronização de equipamentos é um caminho que Ross Brawn – o executivo maior da Liberty Media para assuntos técnico-desportivos -, tenta impor há algum tempo. Por ser um contrassenso à essência da F-1 a proposta patina e afeta o andar da carruagem em tempos que o mundo se transforma na velocidade da internet. Talvez pelo fato da internet na Coréia do Sul ser uma das mais eficientes em todo o mundo, a Hankook, fábrica local de pneus, prepara-se para reiniciar seu programa de desenvolvimento de pneus para a categoria pensando em substituir a Pirelli dentro de pouco tempo.


Anterior:

Próxima: