Veni, vidi, vici: Vitória nas 4 Horas de Curitiba veio na estreia da Lamborghini de Longo e Serra

A novíssima Lamborghini Huracan, campeã das 24 horas de Daytona, não poderia
ter tido estreia melhor no Brasil. Comandada pela dupla Daniel Serra e Chico
Longo e preparada pela equipe TMG-Via Itália do experiente Thiago Meneghel,
a máquina Italiana inscrita sob o número #19 venceu neste sábado as 4 Horas
de Curitiba, prova que abriu a temporada 2018 da Endurance Brasil. O grid
ainda contou com outros nomes de peso, como Ricardo Maurício, David Muffato,
Xandy e Xandinho Negrão, a categoria deu o pontapé inicial para uma
temporada de sete etapas que prometem muitas disputas e um campeonato
bastante competitivo.

Ao todo, 30 carros compuseram o grid, composto por cinco categorias. A pole
position foi do campeão do Brasileiro de Marcas 2017, Vicente Orige, que com
o AJR #88 (JLM Racing), chefiada por Juliano Moro, com o tempo de 1.13.265.
A largada aconteceu às 14h, sob um sol escaldante bastante atípico nessa
época do ano na capital paranaense, mas durante a prova boas surpresas nas
paradas obrigatórias, onde depois de duas horas de prova a chuva deu as
caras, além de várias intervenções do safety car por acidentes no decorrer
da prova.

A liderança da prova passou por vários líderes, até às 18h em ponto, Daniel
Serra cruzar a linha de chegada em primeiro lugar, seguido dos atuais
campeões da categoria Ricardo Maurício/Marcel Visconde com o Porsche 911 GT3
R #70 (Stuttgart Motorsport), e de Xandy e Xandinho Negrão com Mercedes AMG
GT3 #09 (Scuderia 111).

Enquanto a briga pela vitória na prova era bastante acirrada entre os três
GT3, as outras categorias não deixaram por menos e o que se viu na pista
foram boas emoções e luta das equipes pela melhor estratégia na busca pela
vitória.

Na categoria GT4, a vitória foi de Sergio e Guilherme Ribas (BMW M3 GTR
#63 – MC Tubarão), na classe P1 dos potentes protótipos, quem levou a melhor
foi o campeoníssimo MC Tubarão #05, de Tiel de Andrade e Julio Martini. Na
P2, o topo do pódio foi de Cali Crestani e Fernando Stedile (Tornado #03).
Na P3, os irmãos Gustavo e Rafael Simon conquistaram a vitória com o MRX #56
(Motorcar Racing).

Em 2018, o Endurance Brasil tem apoio da Stuttgart Porsche, com quatro
etapas do campeonato acontecendo em programação conjunta com eventos do
Porsche Club Brasil. “Sem falsa modéstia, a vinda da Stuttgart Motorsport em
2017 levantou o campeonato como um todo. Ele já vinha crescendo, mas a
entrada de nossa equipe atraiu público e motivou a entrada de mais pilotos e
carros mais rápidos”, avaliou Marcel Visconde. “Ter o Porsche Club Brasil no
contexto é muito bom. A marca tem um histórico fantástico no esporte a
motor, e o Porsche Club também cria pilotos. Andar com um Porsche em um
evento como este é bom para a marca, para o clube e para os entusiastas”,
finalizou.

A próxima etapa acontece no dia 30 de junho no Autódromo de Interlagos, São
Paulo.

O que eles disseram:

Chico Longo: “Estou ainda buscando meu melhor ritmo de corrida. Mas o carro
é fantástico e fácil de pilotar. Ainda estamos desenvolvendo o acerto e
podemos tirar um pouco mais de performance. Optamos pelo Serra o restante da
corrida para tirarmos o máximo de informações em ritmo de corrida e voltas
muito rápidas”.

Daniel Serra: “Foi um trabalho muito legal aqui em Curitiba. Gosto muito
deste trabalho de desenvolver carros e buscar a melhor performance e acerto.
Esta Lamborghini é fantástica. Um dos melhores carros que já pilotei.
Agradeço muito o Chico por participar novamente de corridas de GT aqui no
Brasil. A equipe Via Italia Racing/TMG Racing fez um bom trabalho. Começamos
a competição da melhor forma”.

Marcel Visconde: “Hoje havia carros um pouco mais rápidos que o Porsche,
como os protótipos AJR e, na nossa categoria (GT3), o Lamborghini. O
Mercedes também tem potencial para andar próximo do Lamborghini. Para nós,
as corridas mais longas são melhores. A equipe vencedora está de parabéns,
fez um bom trabalho. Parabéns também para nós. Peguei pista livre no meu
stint todo e só tive problemas com alguns retardatários que usam pouco os
espelhos retrovisores”.

Ricardo Mauricio: “Foi excelente para a primeira corrida. Nossa equipe fez
um ótimo trabalho, especialmente na troca para os pneus de chuva. Nós
treinamos muito essa parte e isso foi útil já nesta prova. Estamos na briga.
A largada foi confusa porque parecia que o farol não estava aceso. O Vicente
Orige (piloto do protótipo AJR-Chevrolet que fez a pole position) deu uma
acelerada e depois freou. Eu também freei e o [Eduardo] Scheer (quarto
colocado no grid) passou acelerando por mim. Acho que todo mundo ficou em
dúvida. De qualquer maneira, tomei cuidado na primeira volta, porque não
precisava arriscar”.

Xandy Negrão: “Foi uma boa estreia, mas não conseguimos treinar o
suficiente, antes desta prova e nem desenvolver muito o carro. Então, acho
que temos muito trabalho pela frente para podermos extrair uma melhor
performance”.

Xandynho Negrão: “Estamos a um ano parados, sem andar com esse carro e essa
é estreia dele no Brasil. Um pouco diferente combustível e pneu. Andamos
pouco nos treinos e cometemos alguns errinhos na corrida, mas o bom é que
estamos de volta”.

Resultado final da 4 Horas de Curitiba:

1º. Daniel Serra/Chico Longo (Lamborghini Huracán #19), 140 voltas

2º. Marcel Visconde/Ricardo Mauricio (Porsche 911 GT3 R #70), 139 voltas

3º. Xandy Negrão/Xandinho Negrão (Mercedes-Benz AMG GT3 #09), 138 voltas

4º. Tiel Andrade/Júlio Martini (MC Tubarão #05), 134 voltas

5º. Cláudio Ricci/Fernando Poeta/Beto Giacomello (MCR-Lamborghini #18), 133
voltas

6º. Daniel Claudino/Ian Ely (MCR-VW Turbo #71), 132 voltas

Confira o resultado dos três primeiros colocados em cada categoria do
Endurance Brasil

GT3

1º. Daniel Serra/Chico Longo (Lamborghini Huracán #19)

2º. Marcel Visconde/Ricardo Mauricio (Porsche 911 GT3 R #70)

3º. Xandy Negrão/Xandinho Negrão (Mercedes-Benz AMG GT3 #09)

GT4

1º. Sergio Ribas/Guilherme Ribas (BMW M3 GTR #63)

2º. Henry Visconde/Carlos de Andrade (Audi RS3 #64)

P1

1º. Tiel de Andrade/Julio Martini – (Tubarão #05)

2º. Cláudio Ricci/Fernando Poeta/Humberto Giacomello (MCR Lambo #18)

3º. Ian Ely/Daniel Claudino (MCR #71)

P2

1º. Cali Crestani/Fernando Stedile (Tornado #03)

2º. Henrique Assunção/Fernando Fortes/Emilio Padron/Fernando Ohashi (MRX
#75)

3º. Carlos Antunes/Yuri Antunes/R. Dalpont (MRX #72)

P3

1º. Rafael Simon/Gustavo Simon (MRX #56)

2º. C.Cignetti/R. Furquim/J. P. Magalhães (Protótipo #77)

3º. C. Brockveld/R. Bonora/R. Holtmann (Protótipo #131)



Anterior:

Próxima: