Publicidade


Senna lidera 12 horas, mas termina em 15º em Le Mans. Acidente e quebra de câmbio travam vitória na terceira etapa do Mundial de Endurance

A vitória pareceu um sonho viável, mas a 85ª edição das 24 Horas de Le Mans terminou com um gosto amargo para Bruno Senna. Depois de entregar o Oreca-Gibson duas vezes na liderança aos companheiros da Rebellion Racing, ao piloto brasileiro não restou alternativa senão se conformar com o 15º lugar entre os protótipos da categoria P2. Um acidente e uma quebra mecânica já na segunda parte da prova, liderada quase na totalidade na primeira metade pelo trio completado pelos franceses Nicolas Prost e Julien Canal, roubaram as chances de um resultado consagrador num dos eventos mais tradicionais do automobilismo mundial.

Bruno Senna“Foi frustrante”, admitiu Bruno, que partiu em 4º no grid da divisão com 25 carros e assumiu a ponta com menos de 30 minutos de corrida. “O carro estava bom em todas as condições e as chances de ganhar eram mesmo enormes”, afirmou, depois de receber a bandeirada ao final de 340 voltas, 26 atrás do time vencedor da Jackie Chan DC Racing formado pelo chinês Ho-Pin Tungo, pelo inglês Oliver Jarvis e pelo francês Thomas Laurent.

Os problemas com o carro número 31 da Rebellion Racing começaram com uma batida de Prost que custou o prejuízo de uma volta e se agravaram com a pane na caixa de câmbio, que precisou ser trocada e demandou 90 minutos já na manhã deste domingo. “Naquele momento, já não dava mesmo para fazer muita coisa”, resumiu Bruno cujo consolo foi ver o segundo carro da equipe fechar na segunda colocação sob a liderança de Nelsinho Piquet.

Depois de atender a compromissos promocionais na Holanda e na Alemanha no fim de semana, Bruno só voltará às atividades de pista nas 6 Horas de Watkins Glen, terceira etapa do Campeonato Norte-Americano de Endurance. A prova está marcada para dia 2 de julho. O Mundial de Endurance voltará a ser movimentado com as 6 Horas de Nurburgring, dia 14 de julho.


Publicidade



Anterior:

Próxima: