Garota de 14 anos segue os passos de Bia Figueiredo e Luana Pedrosa. No Recife, Kathleen Gonçalves corre para ser a terceira mulher na história a disputar o prêmio oferecido pela competição

Aos 14 anos, a piloto Kathleen Gonçalves é um dos destaques do kartismo em Pernambuco. Filha de um chefe de equipe radicado no estado há oito anos, a menina se interessou pela velocidade ao acompanhar o trabalho do pai – o preparador César Aparecido Gonçaves, ou Billy, como é conhecido no kart do Recife.

As primeiras ‘aceleradas’ da jovem Kathleen aconteceram na temporada de 2009 e, de lá para cá, ela acumulou diversas conquistas. No Campeonato Pernambucano, a garota tem dois títulos – o primeiro veio no ano da estreia, pela categoria Cadete – e um vice-campeonato. Em 2011, ela conquistou o bicampeonato competindo pela categoria Júnior.

Dentro da faixa etária determinada pelo regulamento da Seletiva de Kart Petrobras para participar da grande final, Kathleen corre para entrar para a história do torneio. Ela pode se tornar, neste fim de semana (18 e 19/8), a terceira mulher a disputar o maior prêmio do kartismo nacional – seguindo os passos da paulista Bia Figueiredo (hoje na F-Indy), finalista em 2001, 2002 e 2003; e da carioca Luana Pedrosa, finalista na temporada 2009.

“Para mim já seria um prêmio só o fato de estar na final, competindo entre os 12 melhores kartistas do país”, sonha a garota. “Mais do que o prêmio, acho que estar na final da Seletiva de Kart Petrobras dá um grande destaque para o piloto. Isso sem falar na experiência e no aprendizado”, comenta.

A preparação para buscar uma das duas vagas em jogo no próximo domingo pelo Campeonato Pernambucano começou já na última etapa do estadual, disputada no kartódromo de Paulista, na região metropolitana de Recife. Líder do campeonato 2012 na categoria Júnior, Kathleen fez sua estreia na categoria Graduados – a mesma da Seletiva de Kart Petrobras. E começou impressionando: entre os 12 pilotos da etapa, largou na quarta posição e terminou em segundo.

“Na Graduados o trabalho é mais puxado que na Júnior. Os pilotos têm mais experiência, mas estou me dedicando ao máximo para conseguir andar bem. A prova da Seletiva deve ser ainda mais difícil por conta dos pilotos que vêm de outros estados tentar a vaga. Mas quero fazer bonito para estar nessa final”, garante a menina. “Um prêmio como o da Seletiva seria ótimo para minha carreira no kart”, aponta.

Esta é a segunda vez que a Seletiva de Kart Petrobras classifica pilotos em Pernambuco. A primeira foi na temporada 2011, quando Victor Fazekas e Jonathan Louis garantiram suas passagens para a final no mesmo kartódromo do Tamboril, que recebe a etapa do torneio no próximo fim de semana. Também como aconteceu no ano passado, serão dois nomes classificados para a grande decisão que vale o prêmio de 117 mil reais.


Anterior:

Próxima: