Sertões: uma logística militar. Ao longo dos dez dias da maior competição off road do Brasil, equipes atuam com planejamento, missões e objetivos pré-definidos

Em esportes como o rally cross country, organização é o principal pilar de um time vencedor. Tudo pode acontecer neste tipo de disputa, na qual os competidores descobrem o caminho em alta velocidade e por intermédio de guias impressos que orientam os navegadores. Ao contrário dos ralis de velocidade, no cross country o roteiro é mantido sob sigilo até o dia em que é utilizado. E isso faz toda a diferença.

A quebra de um simples parafuso, um salto mais alto do que a prudência recomendaria ou até mesmo uma capotagem – grande parte dos pilotos e navegadores já teve essa experiência, alguns muitas vezes – são incidentes comuns a ponto de as melhores equipes já contarem com eles em seus trabalhos de preparação.

A edição 2012 do Rally Internacional dos Sertões terá largada no dia 19 de agosto, em São Luiz (MA), e contará 4.840 quilômetros até seu encerramento, em Fortaleza (CE), dez dias depois. Neste percurso, que cruzará cinco estados do Nordeste brasileiro, os competidores enfrentarão todos os tipos de piso, como areia, cascalho, piçarra e longos trechos acidentados – boa parte deles sem qualquer semelhança com ruas e estradas. “Largar com todos os detalhes organizados e com um planejamento detalhado é metade dessa batalha”, diz o chefe de equipe da Vedacit X Rally Team, Mário Santin. “Ter a peça certa no momento necessário ou saber que sua equipe está preparada para fazer qualquer reparo em pouco tempo e com qualidade pode ser a diferença entre terminar entre os primeiros ou sequer ter condições de continuar na competição”, detalha Santin.

Considerada uma das equipes mais bem estruturadas do Sertões, o Vedacit X Rally Team tem sua base em instalações de 300 metros quadrados na cidade de São Paulo. Em 2012, os dois carros do time serão conduzidos pelas duplas Cristian Baumgart/Beco Andreotti e Marcos Baumgart/Kleber Cíncea. Na trilha do Sertões, o time contará com sete veículos: os dois Mitsubishi L200 Triton Evolution (de competição), um motorhome de serviços de apoio (cozinha e almoxarifado), um caminhão de apoio (dormitório para os competidores, oficina e peças de reposição), um caminhão tanque exclusivo para transporte de etanol e duas caminhonetes L200 Triton Savana. A estrutura conta ainda com tendas e barracas que são armadas nas zonas de manutenção dos veículos, no final de cada dia.

15 toneladas em equipamentos – Estes veículos transportarão um volume total de 15 toneladas de equipamentos, entre ferramental, carros de competição, peças de reposição equivalentes a três veículos desmontados, combustível e itens de consumo e sobrevivência da equipe, como alimentos e medicação de emergência.

“As peças de reposição são criteriosamente catalogadas. Sabemos exatamente quantos itens de cada especificação temos em estoque, detalhando suas características e vida útil – de forma a saber quanto tempo essa peça ainda pode ser usada na competição”, explica o piloto Cristian Baumgart, parceiro do navegador Beco Andreotti. “Esse controle registra, além da vida útil, um diário de bordo com check lists de revisão do veículo, registro de ocorrências e anotações que podem ajudar durante o Sertões. É um extenso livro de bordo, parecido com o que é utilizado na aviação”, continua Cristian.

“No almoxarifado, temos desde pequenos parafusos e presilhas, até peças de grande porte e de eletrônica delicada e sofisticada. Por exemplo, o item mais volumoso são os conjuntos de rodas e pneus, que contam 50 unidades”, diz Marcos Baumgart, piloto que competirá em dupla com o navegador Kleber Cíncea. “Ao todo, carregamos cerca de 300 itens, cada um deles com potencial decisivo no caso de precisarmos que entre em ação. Tudo é importante, tudo pode fazer falta na hora da corrida. Então carregamos o máximo que podemos, mas sempre de forma segura, organizada e planejada”, continua Marcos.

A equipe conta com 17 especialistas, entre mecânicos, técnicos em áreas como logística, motor, suspensão e eletrônica, além de motoristas e auxiliares. Todos estão preparados para a longa e difícil viagem de quase 5.000 quilômetros – e, claro, longas horas de trabalho de manutenção e reparo junto dos carros que, não raro, são realizadas madrugada adentro.

“O esforço destas pessoas é vital para nosso sucesso no Sertões”, diz o navegador Kleber Cíncea. “Já sabemos por experiência que cansaço e stress cobram seu preço e pesam muito ao longo da prova. Por isso, preparamos uma logística que vai tentar minimizar essa tensão e repor energias. Por exemplo, todas as refeições são preparadas por uma nutricionista e teremos barracas-dormitório à disposição em todas as locações”, explica Cíncea.

Força-tarefa – Por serem mais ágeis e leves que os caminhões, o trabalho das picapes L200 Triton Savana é um dos destaques. “Elas atuam como nossa força-tarefa de vanguarda”, explica o navegador Beco Andreotti. “Todas elas são dotadas de equipamentos de segurança e localização, além de ferramentas, itens de reposição e emergência”, conta Andreotti.

“São veículos idealizados para atividade off-road, então já contam com um bom nível de resistência, algo que já vem de fábrica”, diz o chefe de equipe Mario Santin. “Nós acrescentamos alguns itens mais voltados a uma prova tão longa como o Sertões, como GPS e rádio-comunicador, cinta para reboque e guincho”, explica Santin.

As missões destes veículos são específicas e acontecem em momentos-chave:
• Apoio de largada – acompanha os carros de corrida no deslocamento inicial até o começo da especial, que é o trecho cronometrado no qual acontece a corrida propriamente dita.
• Apoio de resgate – fica posicionado em locais estratégicos. Em caso de emergências, é acionado para socorrer/resgatar os competidores.
• Apoio de chegada – posicionado no final das especiais, acompanha os competidores no trecho final de cada dia, com destino ao parque de apoio, onde receberão a manutenção visando o próximo dia de corrida.
• Apoio de logística – é o “ponta de lança” da equipe. Sai da cidade de largada em direção ao ponto de chegada daquele dia, para reservar e realizar os preparativos para a instalação de toda a equipe no parque de manutenção. Verifica pontos de água, energia elétrica e todas as demais necessidades que a equipe irá ter ao final do dia.

A equipe X Rally Team realizou seu último teste antes do Rally dos Sertões no dia seis de agosto, na região de Brotas (SP). “Já tínhamos tudo pronto, e este teste foi apenas de verificação final dos sistemas dos dois carros”, explica Mário Santin. “Deu tudo certo e, agora, só queremos largar logo. Depois de tanto trabalho, agora é hora de mostrar o que nosso time pode fazer”.

Veja a programação do Rally dos Sertões 2012:
1ª Etapa – 19/08: São Luís (MA) – Barreirinhas (MA)
2ª etapa – 20/08: Barreirinhas (MA) – Bacabal (MA)
3ª etapa – 21/08: Bacabal (MA) – Barra do Corda (MA) * Etapa Maratona
4ª etapa – 22/08: Barra do Corda (MA) – Carolina (MA)
5ª etapa – 23/08: Carolina (MA) – Palmas (TO)
6ª etapa – 24/08: Palmas (TO) – Alto Parnaíba (MA) * Etapa Maratona
7ª etapa – 25/08: Alto Parnaíba (MA) – Bom Jesus (PI)
8ª etapa – 26/08: Bom Jesus (PI) – Petrolina (PE)
9ª etapa – 27/08: Petrolina (PE) – Iguatu (CE)
10ª etapa – 28/08: Iguatu (CE) – Fortaleza (CE)


Anterior:

Próxima: