Felipe Zanol analisa roteiro do Rally dos Sertões. Piloto mineiro é candidato ao título inédito na edição de 20 anos da prova, que terá 4.846 quilômetros de desafios em agosto

Todos os detalhes do roteiro da edição de 20 anos do Rally dos Sertões foram revelados na noite desta terça-feira, durante o briefing que reuniu organizadores, competidores e imprensa em Barueri, na Grande São Paulo. E um dos espectadores mais atentos era o mineiro Felipe Zanol, piloto que conquistou a vice-liderança geral das motocicletas nas duas vezes que disputou a prova, em 2011 e 2010.

O Sertões será realizado de 18 a 29 de agosto, com largada em São Luis (MA) e chegada em Fortaleza (CE). A principal característica dos 4.846 quilômetros de desafios, sendo 2.296 deles de trechos cronometrados (especiais), será o terreno arenoso que marca as regiões Norte e Nordeste do país. Zanol é uma das principais apostas brasileiras para o evento, que inclui ainda quadriciclos, UTVs, carros e caminhões. Em 2012, o mineiro abriu a temporada dos ralis como o melhor competidor das Américas entre as motos do Rally Dakar (décimo lugar na geral).

Confira a entrevista com o piloto e, em seguida, todos os detalhes do percurso do Rally dos Sertões:

O que você achou do roteiro?
Vai ser bem duro. Houve bastante acréscimo de areia, com especiais extremamente desgastantes para o piloto e para o equipamento. Apesar de não ter as mesmas distâncias, o Sertões ganhou ares de Rally Dakar. Foi muito bom eu poder comparecer no briefing, nos últimos anos eu não estive no evento e vi que faz diferença. Com todas essas informações passadas pela organização, agora eu tenho mais de 40 dias para acertar os últimos detalhes e já traçar algumas estratégias, principalmente para o uso dos pneus.

Qual será o ponto mais difícil da prova?
Na verdade serão dois os pontos mais críticos. A segunda etapa maratona (6ª etapa, dia 24 de agosto, entre Palmas-TO e Alto Parnaíba-MA) e a parte de navegação por GPS, que este ano será mais longa. O Rally Dakar me ajudou neste tipo de navegação. Certamente estes dois desafios serão um divisor de águas na corrida e espero me sair bem.

Você citou o desgaste que o Sertões provoca no equipamento, está tranquilo com a sua Honda CRF 450X?
As duas vezes que corri no Sertões foi de Honda e sei como a durabilidade do equipamento faz toda a diferença. A moto transmite muita confiança para mim e estará pronta até o final do mês.

A Honda acabou de anunciar que estará de volta ao Rally Dakar em 2013 e você é um dos quatro pilotos escolhidos a fazer parte da equipe. Vai ter cautela no Rally dos Sertões por conta disso?
Vou para a trilha pensando no Sertões, não vou aliviar o braço. Mas certamente o Rally dos Sertões será uma corrida incrível para garantir o ritmo de prova para o Rally Dakar 2013.

Confira os detalhes do percurso do Rally dos Sertões 2012:
18/8
Super Prime (São Luis-MA)

19/8 – 1ª Etapa
São Luís (MA) – Barreirinhas (MA)
Deslocamento Inicial: 134 km
Trecho de Especial: 176 km
Deslocamento Final: 55 km
TOTAL: 365 km

A largada já será em solo arenoso e o caminho inclui trechos sinuosos, estreitos e sem área de escape.

20/8 – 2ª Etapa
Barreirinhas (MA) – Bacabal (MA)
Deslocamento Inicial: 1 km
Trecho de Especial: 148 km
Deslocamento Final: 514 km
TOTAL: 514 km

A etapa terá aproximadamente 25 quilômetros de navegação por GPS nas dunas. Especial bastante prazerosa para a pilotagem, marcada por longas retas e belas paisagens. O deslocamento será bastante desgastante e em estrada precária.

21/8 – 3ª Etapa
Bacabal (MA) – Barra do Corda (MA) / ETAPA MARATONA
Deslocamento Inicial: 106 km
Trecho de Especial: 149 km
Deslocamento Final: 19 km
TOTAL: 274 km

Especial bastante rápida, com passagens por vilas em formato de zona de radar. O terreno terá cascalho, piçarra e erosões, mas o dia não apresentará areia.

22/8 – 4ª Etapa
Barra do Corda (MA) – Carolina (MA)
Deslocamento Inicial: 8 km
Trecho de Especial: 309 km
Deslocamento Final: 206 km
TOTAL: 523 km

Competidores terão pela frente estradas de terra, pontes de madeira e travessias de riachos.

23/8 – 5ª Etapa
Carolina (MA) – Palmas (TO)
Deslocamento Inicial: 3 km
Trecho de Especial: 188 km
Deslocamento Final: 281 km
TOTAL: 472 km

Etapa preparatória para o temido Jalapão, com pontes estreitas de toras, retas longas e uma curva bastante traiçoeira. Os competidores encontrarão ainda mata-burros, cascalhos, areia e estradas de alta velocidade, o que garante um dia mesclado e bastante completo.

24/8 – 6ª Etapa
Palmas (TO) – Alto Parnaíba (MA) / ETAPA MARATONA
Deslocamento Inicial: 207 km
Trecho de Especial: 468 km
Deslocamento Final: 5 km
TOTAL: 680 km

As motocicletas terão dois abastecimentos em uma etapa extremamente dura e cansativa. O percurso inclui 35 quilômetros de navegação por GPS em um terreno arenoso pesado, sem rastros ou referências. Para fechar o dia bem típico do Jalapão, um trial colocará competidores e equipamentos à prova.

25/8 – 7ª Etapa
Alto Parnaíba (MA) – Bom Jesus (PI)
Deslocamento Inicial: 35 km
Trecho de Especial: 277 km
Deslocamento Final: 55 km
TOTAL: 368 km

Dia de altas velocidades e retas longas, localizadas em áreas agrícolas. Será a especial mais veloz do rali, mas o caminho se torna travado e sinuoso no final, principalmente por conta do trial na descida da serra.

26/8 – 8ª Etapa
Bom Jesus (PI) – Petrolina (PE)
Deslocamento Inicial: 3 km
Trecho de Especial: 335 km
Deslocamento Final: 289 km
TOTAL: 627 km

Considerada a “Especial dos 20 anos”, a organização do evento apontou a etapa como decisiva na competição, já que quem chegar em Petrolina tem grandes chances de avançar até Fortaleza. Serão 110 quilômetros seguidos de areia na baixa do Rio São Francisco, portanto a calibragem dos pneus merece atenção. Os competidores passam ainda por um vale repleto de cânions.

27/8 – 9ª Etapa
Petrolina (PE) – Iguatu (CE)
Deslocamento Inicial: 62 km
Trecho de Especial: 143 km
Deslocamento Final: 355 km
TOTAL: 560 km

Será o dia mais seco da prova, já que a especial cruza o sertão e as vilas características da região.

29/8 – 10ª Etapa
Iguatu (CE) – Fortaleza (CE)
Deslocamento Inicial: 184 km
Trecho de Especial: 103 km
Deslocamento Final: 170 km
TOTAL: 457 km

A etapa final é curta mas oferece um convite a acelerar, o que pode ser uma escolha traiçoeira para alguns competidores a poucos quilômetros da linha de chegada. A especial fecha a edição de 20 anos com belas paisagens e, claro, muita areia.

TOTAL DO PERCURSO: 4.846 km
TOTAL DE ESPECIAIS: 2.296 km

Felipe Zanol é patrocinado por Honda, Red Bull, ASW, Rinaldi, ATS Informática, Mobil, Vedamotors e Brasil Moto Tour e conta com o apoio de Água Mineral Ingá e Mr Pró.


Anterior:

Próxima: